Nem todo bicho quer ser ajudado

Parece estranha essa afirmação, mas não é.

Primeiro e logicamente nessa categoria se enquadram os ferais, aqueles que ninguém consegue se aproximar sem que seja violentamente repelido por ameaças e não raro são os que provocam ferimento em protetores.

Poucos voluntários que trabalham em ONGs de proteção animal, não carregam em seu corpo cicatrizes e inúmeras estórias de arranhadas e mordidas, a maioria das quais felizmente sem maior gravidade.

Dos gatos então, dizemos que são animais de cinco bocas, tal o estrago que suas afiadas garras podem produzir se você tentar dominá-los de maneira mais enérgica.

Nesses casos e quando as circunstâncias permitem, ainda tentamos o uso de armadilhas para tentar capturar, tratar, esterilizar e devolver para o local de origem, mas não são poucas às vezes em que vemos uma pobre fêmea ter seguidas crias até se esgotar, ou ver um animal doente ou com ferimentos graves, definhar até morrer sem nos dar a oportunidade de ajuda-lo.

Mas além dos ferais, existe o enorme grupo dos maltratados e aterrorizados, que fogem a menor menção de que queremos nos aproximar para sua captura, ou mesmo para tentar examinar melhor ferimentos e problemas que de longe temos a impressão que os afligem.

Esse grupo é o que mais nos desperta piedade, por sentirmos que são animais de boa índole por natureza, mas que foram tão agredidos e maltratados, que temem a aproximação de qualquer humano.

Temos experiência com animais que alimentamos meses nas ruas, para que nos permitissem um mínimo de aproximação, e mesmo assim, nunca nos deixaram chegar perto o suficiente para captura-los.

Alguns desse grupo que conseguimos capturar, mesmo abrigados com toda a segurança e conforto em nossas casas, seguem por toda sua vida, esquivos e arredios evitando ao máximo qualquer contato até mesmo com aqueles que os alimentam todos os dias.

Nada há a fazer senão cuidar e alimentar até que venha a morrer, pelo menos com conforto e segurança.

Por isso, e para não ficarmos frustrados por completo quando ocorrem casos, em que todo nosso esforço é feito em vão, nós voluntários dizemos que tem animais que não querem ser ajudados de nenhuma maneira.

 

 

Autor: Carlos Fernando C. Motta
Escrito em: Novembro/2015